Azulejaria Urbana - Inventariação e Catalogação do Azulejo de Fachada em Lamego

  • Criador do tópico Repositório Científico do Instituto Politécnico
  • Start date

↗️ Plataformas de hospedagem de Conteúdo(audio, video..etc) do Pinhalismo(Carlos Pinhal)

Redes Socias do Pinhalismo: Canal Telegram Grupo Telegram(NFP Social)

Hospedagem de Videos: Canal do Youtube Dailymotion Rumble Odysee
Hospedagem Multi Média(video, audio, imagem...etc): Internet Archive
R

Repositório Científico do Instituto Politécnico

Guest
Breve resumo:
Título: Azulejaria Urbana - Inventariação e Catalogação do Azulejo de Fachada em Lamego
Autor: Rodrigues Paulo, Vítor Manuel
Resumo: A presente dissertação apresenta-se como um projeto colaborativo e dedica-se ao estudo da azulejaria de fachada estabelecendo como barreiras cronológicas o século XIX e inícios do século XX. Como barreiras geográficas compreende a azulejaria presente na freguesia de Lamego (Almacave e Sé), abrangendo todo o revestimento cerâmico presente em dez ruas da freguesia acima referida.
Servindo de pilar de sustentação ao presente trabalho, decorreu um amplo processo de inventariação, onde foram recolhidos todos os dados e feito um registo fotográfico do azulejo de fachada desta freguesia, para que se efetuassem fichas de catálogo, que servem como produto final à instituição acolhedora, e de base para o desenvolvimento da componente correlativa com o enquadramento teórico.
Baseado numa ideia de “missão cultural” tem como objetivos alertar para o problema da preservação e promover a (re)valorização deste património, com foco para as fachadas urbanas do seculo XX.
No projeto destaca-se a necessidade de dar visibilidade ao azulejo como marca da evolução artística patrimonial e cultural da cidade, alcançando assim um nível de popularidade e renovação, em que, se justifica a sua preservação e proteção. Procurar-se-á determinar se, este tipo de património está inventariado e se é uma realidade em risco e se carece de proteção por parte dos proprietários das autoridades municipais, contra as principais ameaças que enfrenta, nomeadamente o furto, a degradação intencional, motivada por vandalismo, ou por intervenções no edificado que não foram previamente acauteladas.
Com o que se foi verificando “In Situ” apurou-se que este património, se encontra em risco, apesar de lhe ser reconhecida a dimensão e a diversidade local deste património azulejar, e que o legislador acautelou para evitar a destruição patrimonial, dotando os municípios de meios de intervenção no quadro das suas competências em sede de licenciamento de operações urbanísticas.
Aconselha-se ainda, todos os agentes interventivos neste tipo de património, a procurarem soluções e aconselhamento, ao nível de técnicos e técnicas de conservação e restauro, nomeadamente junto das próprias autarquias, ou na n a Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN) ou até procurando apoio no museu nacional do azulejo, (MNa) e no projeto “SOS Azulejo” entre outros.​



Info Adicional:
Título: Azulejaria Urbana - Inventariação e Catalogação do Azulejo de Fachada em Lamego Autor: Rodrigues Paulo, Vítor Manuel Resumo: A presente dissertação apresenta-se como um projeto colaborativo e dedica-se ao estudo da azulejaria de fachada estabelecendo como barreiras cronológicas o século XIX e inícios do século XX. Como barreiras geográficas compreende a azulejaria presente na freguesia de Lamego (Almacave e Sé), abrangendo todo o revestimento cerâmico presente em dez ruas da freguesia acima referida. Servindo de pilar de sustentação ao presente trabalho, decorreu um amplo processo de inventariação, onde foram recolhidos todos os dados e feito um registo fotográfico do azulejo de fachada desta freguesia, para que se efetuassem fichas de catálogo, que servem como produto final à instituição acolhedora, e de base para o desenvolvimento da componente correlativa com o enquadramento teórico. Baseado numa ideia de “missão cultural” tem como objetivos alertar para o problema da preservação e promover a (re)valorização deste património, com foco para as fachadas urbanas do seculo XX. No projeto destaca-se a necessidade de dar visibilidade ao azulejo como marca da evolução artística patrimonial e cultural da cidade, alcançando assim um nível de popularidade e renovação, em que, se justifica a sua preservação e proteção. Procurar-se-á determinar se, este tipo de património está inventariado e se é uma realidade em risco e se carece de proteção por parte dos proprietários das autoridades municipais, contra as principais ameaças que enfrenta, nomeadamente o furto, a degradação intencional, motivada por vandalismo, ou por intervenções no edificado que não foram previamente acauteladas. Com o que se foi verificando “In Situ” apurou-se que este património, se encontra em risco, apesar de lhe ser reconhecida a dimensão e a diversidade local deste património azulejar, e que o legislador acautelou para evitar a destruição patrimonial, dotando os municípios de meios de intervenção no quadro das suas competências em sede de licenciamento de operações urbanísticas. Aconselha-se ainda, todos os agentes interventivos neste tipo de património, a procurarem soluções e aconselhamento, ao nível de técnicos e técnicas de conservação e restauro, nomeadamente junto das próprias autarquias, ou na n a Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN) ou até procurando apoio no museu nacional do azulejo, (MNa) e no projeto “SOS Azulejo” entre outros.



Autor:




Clica para continuares a ler...
 
Voltar
Topo