Auditoria aos Consumos Água, Gás e Energia Elétrica no Estabelecimento Prisional de Lisboa

  • Criador do tópico RCAAP Rss Feeder
  • Start date
R

RCAAP Rss Feeder

Guest
Breve resumo:
Escolhi para a Dissertação do Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios, a Auditoria aos consumos de água e fontes de energia (eletricidade e gás) com abordagem ao estado em que se encontram os equipamentos instalados no Estabelecimento Prisional de Lisboa. Por se tratar da cadeia mais antiga construída em Portugal ainda em funcionamento, (foi construída em 1873) e que com obras de requalificação ocorridas faseadamente na década de 1990, ainda hoje ali trabalham cerca de 42 funcionários, aproximadamente 213 guardas prisionais e graduados e mantém uma população reclusa da ordem das 1300 pessoas em razoáveis condições de habitabilidade. Esta auditoria poderá servir de alerta para o que se passa em semelhante escala nos restantes estabelecimentos prisionais localizados no país. Assim, as questões aqui abordadas têm como objetivo apontar soluções para reduzir consumos considerados exagerados, melhorar o desempenho energético com aplicações de soluções de poupança, sensibilizar os utilizadores pelo respeito por uma boa utilização de recursos disponíveis reduzindo despesas com consumos desnecessários, e apostando também no recurso à utilização das novas tecnologias energéticas, muito mais eficientes, económicas e não tanto poluentes como que as convencionais​



Info Adicional:
Escolhi para a Dissertação do Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios, a Auditoria aos consumos de água e fontes de energia (eletricidade e gás) com abordagem ao estado em que se encontram os equipamentos instalados no Estabelecimento Prisional de Lisboa. Por se tratar da cadeia mais antiga construída em Portugal ainda em funcionamento, (foi construída em 1873) e que com obras de requalificação ocorridas faseadamente na década de 1990, ainda hoje ali trabalham cerca de 42 funcionários, aproximadamente 213 guardas prisionais e graduados e mantém uma população reclusa da ordem das 1300 pessoas em razoáveis condições de habitabilidade. Esta auditoria poderá servir de alerta para o que se passa em semelhante escala nos restantes estabelecimentos prisionais localizados no país. Assim, as questões aqui abordadas têm como objetivo apontar soluções para reduzir consumos considerados exagerados, melhorar o desempenho energético com aplicações de soluções de poupança, sensibilizar os utilizadores pelo respeito por uma boa utilização de recursos disponíveis reduzindo despesas com consumos desnecessários, e apostando também no recurso à utilização das novas tecnologias energéticas, muito mais eficientes, económicas e não tanto poluentes como que as convencionais



Autor:




Clica para continuares a ler...
 
Voltar
Topo