RSS Cientifico geral Aspirina, Clopidogrel e Hemorragia Gastrointestinal: Qual a Evidência?

  • Criador do tópico RCAAP Rss Feeder
  • Start date
R

RCAAP Rss Feeder

Guest
Breve resumo:
INTRODUÇÃO: O ácido acetilsalicílico (AAS), vulgarmente designado por aspirina, é sobejamente utilizado na prevenção secundária de eventos cardiovasculares, assim como o clopidogrel, outro antiagregante plaquetário. É conhecida a associação do AAS ao aumento do risco de complicações gastrointestinais (GI). No entanto, existe alguma evidência científica que sugere uma possível diminuição deste risco com clopidogrel comparativamente com o uso de AAS. Assim, é comum a substituição do AAS pelo clopidogrel em situações de hemorragia. O nosso objetivo foi avaliar a eventual superioridade do clopidogrel na redução do risco hemorrágico GI em doentes a fazer AAS ou clopidogrel em prevenção cardiovascular secundária.MÉTODOS: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica de artigos publicados entre janeiro de 2000 e agosto de 2020, nas línguas portuguesa e inglesa e indexadas na PubMed, Cochrane, DARE, National Guideline Clearinghouse, Canadian Medical Association Practice Guidelines Infobase e Evidence Based Medicine Online. Os termos MeSH utilizados foram ‘clopidogrel’, ‘aspirin’ e ‘gastrointestinal hemorrhage’. A atribuição dos níveis de evidência e forças de recomendação baseou-se na escala Strength of Recommendation Taxonomy (SORT).RESULTADOS: A pesquisa inicial encontrou 278 artigos, dos quais foram incluídos na revisão dez: uma revisão sistemática, quatro ensaios clínicos randomizados, três estudos coortes retrospetivos, um estudo coorte prospetivo e um estudo caso-controlo prospetivo.CONCLUSÃO: Os estudos com maior nível de evidência apontam para a inexistência de superioridade do clopidogrel em relação ao AAS no que concerne a complicações GI (SORT B). Outros sugerem mesmo que a utilização de AAS associada a inibidores da bomba de protões (IBP) reduz este risco comparativamente ao clopidogrel isolado. Na ausência de consenso entre os diversos estudos, sugere-se a realização de novos estudos, nomeadamente ensaios clínicos randomizados, dirigidos especificamente para esta temática.​



Info Adicional:
INTRODUÇÃO: O ácido acetilsalicílico (AAS), vulgarmente designado por aspirina, é sobejamente utilizado na prevenção secundária de eventos cardiovasculares, assim como o clopidogrel, outro antiagregante plaquetário. É conhecida a associação do AAS ao aumento do risco de complicações gastrointestinais (GI). No entanto, existe alguma evidência científica que sugere uma possível diminuição deste risco com clopidogrel comparativamente com o uso de AAS. Assim, é comum a substituição do AAS pelo clopidogrel em situações de hemorragia. O nosso objetivo foi avaliar a eventual superioridade do clopidogrel na redução do risco hemorrágico GI em doentes a fazer AAS ou clopidogrel em prevenção cardiovascular secundária.MÉTODOS: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica de artigos publicados entre janeiro de 2000 e agosto de 2020, nas línguas portuguesa e inglesa e indexadas na PubMed, Cochrane, DARE, National Guideline Clearinghouse, Canadian Medical Association Practice Guidelines Infobase e Evidence Based Medicine Online. Os termos MeSH utilizados foram ‘clopidogrel’, ‘aspirin’ e ‘gastrointestinal hemorrhage’. A atribuição dos níveis de evidência e forças de recomendação baseou-se na escala Strength of Recommendation Taxonomy (SORT).RESULTADOS: A pesquisa inicial encontrou 278 artigos, dos quais foram incluídos na revisão dez: uma revisão sistemática, quatro ensaios clínicos randomizados, três estudos coortes retrospetivos, um estudo coorte prospetivo e um estudo caso-controlo prospetivo.CONCLUSÃO: Os estudos com maior nível de evidência apontam para a inexistência de superioridade do clopidogrel em relação ao AAS no que concerne a complicações GI (SORT B). Outros sugerem mesmo que a utilização de AAS associada a inibidores da bomba de protões (IBP) reduz este risco comparativamente ao clopidogrel isolado. Na ausência de consenso entre os diversos estudos, sugere-se a realização de novos estudos, nomeadamente ensaios clínicos randomizados, dirigidos especificamente para esta temática.



Autor:




Clica para continuares a ler...
 
Voltar
Topo